Let's talk with // Cata Vassalo


As entrevistas estão de volta! Quem me acompanha desde há mais tempo lembra-se que, há cerca de um ano e meio, publiquei várias entrevistas que fiz a pessoas que admiro bastante. Novas marcas surgiram, novas parcerias e novas conquistas aconteceram e, com elas, achei importante dar-vos a conhecer marcas que admiro (muito!) e nas quais confio e sei que vos podem motivar.

Por isso, de hoje em diante, todas as 2ª Feiras irei publicar aqui no blog uma entrevista a uma mulher empreendedora. E há algo mais motivador para um início de semana do que ouvir histórias de mulheres criativas?

Começamos pela Cata Vassalo. Nunca nos conhecemos pessoalmente mas já trabalhámos juntas numa parceria, para uma sessão fotográfica. A Catarina é daquelas pessoas a quem posso chamar Instagram friend. Sim, eu acredito que amizades virtuais existem e que podemos criar uma relação com alguém através de redes sociais como o Instagram. Temos uma cumplicidade enorme e falamos muitas vezes.

Sem mais demoras, vamos falar com ela.

1. Fala-nos um pouco da Catarina...

[CV] Sou uma pessoa muito easy-going, muito tranquila e considero-me uma pessoa divertida. Não consigo estar parada, tenho sempre de estar a fazer alguma coisa, no fundo, não gosto de desperdiçar tempo... Sou muito transparente, a minha cara diz tudo... Se eu não gostar de alguma coisa, nota-se logo!

2. Quando é que começa o teu dia?

[CV] O meu dia começa muuuito cedo (hoje, por exemplo começou às 6h20), para tratar das minhas filhas e despachar-me o mais cedo possível para começar a trabalhar.

3. O que é que não pode faltar em cima da tua mesa de trabalho?

[CV] O que está sempre em cima da minha mesa de trabalho é o alicate e arame, o re sto varia consoante o tipo de peça.

4. Descreve-nos o teu dia. Um dia comum.

[CV] O meu dia começa por tratar das minhas filhas e levá-las à escola. Vou para o atelier e só faço uma pausa para almoço. Tento rentabilizar ao máximo o tempo no atelier, porque a partir do momento em que vou buscar as minhas filhas à escola, o tempo é exclusivo para elas. O dia termina quando as adormeço e consigo ter um tempo para mim...

5. Para trabalhar: sozinha ou acompanhada?

[CV] Prefiro trabalhar sozinha, consigo concentrar-me e dar toda a minha atenção à peça que estou a fazer.

6. O que não pode faltar na tua mesa de cabeceira?

[CV] Uma garrafa de água - sempre! E o telemóvel, claro!

7. Rotinas matinais... conta-nos!

[CV] Não tenho uma rotina específica, ou melhor até tenho: despachar-me, despachar as minhas filhas e levá-las à escola.

8. O que é que a tua marca te trouxe de melhor?

[CV] A minha marca permite-me trabalhar naquilo que gosto realmente. Aprendi a ser mais paciente, pois cada peça exige muito detalhe e não é algo que se faça de um dia para o outro. Aprendi também a ouvir, uma vez que para realizar um trabalho personalizado é necessário (quase obrigatório), ouvir com muita atenção aquilo que a noiva pretende e imagina. Quero dar à minha cliente exactamente a peça que ela idealiza... E não dar, nunca, um passo maior que a perna, e aprendi isso pela experiência.

9. E quais foram ou têm sido as maiores dificuldades?

[CV] A minha maior dificuldade tem sido gerir o meu tempo, principalmente na época alto dos casamentos em que tudo fica caótico e surgem sempre pedidos de última hora. Ainda hoje tenho alguma dificuldade em lidar com o facto de que nem tudo depende de mim. E o exemplo disso é o prazo de entrega dos fornecedores - que pode implicar também um atraso na entrega da peça à cliente.

10. Onde encontras inspiração para cada peça?

[CV] Ao contrário de muitas pessoas que têm um trabalho criativo, eu compro os materiais sem ter uma peça idealizada. Gosto de comprar os materiais e depois ver como resulta a conjugação dos vários elementos e deixo-me levar pela minha intuição...

11. O teu trabalho é fantástico. Qual consideras que seja a chave para ter sucesso e para criar uma comunidade fiél?

[CV] O segredo é manter um preço justo, acessível e apostar numa relação próxima com a cliente, na medida em que gosto de ir dando sempre o feedback do trabalho que estou a realizar na peça da cliente, para também perceber, se, na perspectiva da cliente, estou a ir na direcção certa. Acho que o facto de procurar inovar e criar peças novas com alguma regularidade e sempre que me é possível, acaba por manter o meu público sempre interessado e atento ao meu trabalho.

12. Quais os canais que consideras ajudar mais nas tuas vendas? (loja física, Instagram, Facebook, passa palavra, etc.)

[CV] No meu caso, o que me ajudou mais a divulgar o meu trabalho foi o Facebook, e de seguida, o passa-palavra, que acaba por ser muito importante.

13. Partilha connosco quais os teus maiores medos durante esta tua jornada. E quais as maiores forças?

[CV] O meu maior medo é dar um passo maior do que a perna porque, por experiência, nunca corre bem. Tento sempre manter-me humilde e consciente do que estou a fazer e da decisão que estou a tomar. A minha maior força e motivação é o feedback da cliente, adoro quando se apaixonam pela peça que criei e adoro ver as fotos que as clientes me enviam do seu casamento e perceber que contribuí para o seu dia especial.

14. Sendo mãe, como encontras tempo para ti própria, para a criatividade e para criar novos conteúdos?

[CV] Só é possível se existir um apoio e uma ajuda familiar, que eu tenho. Esse é o segredo.

Facebook

Instagram

#interview #inspiration #entrepreuner #entrepreunerfemale #female #mulheresempreendedoras #calledtobecreative

177 visualizações
COPYRIGHT BY JL&COMPANY 2020