Let's talk with // Ana, Go Slowly


Estou cada vez mais feliz com esta iniciativa das entrevistas de 2ª Feira. Tenho conhecido percursos e projectos incríveis e todos tão diferentes, que nos ensinam e nos mostram uma forma de estar na vida maravilhosa.

A Ana Milhazes é um exemplo de coragem e não podia deixar de partilhar o percurso dela hoje por aqui. Ora vejam:

1. A Ana é...

[AMM] Uma eterna sonhadora que está sempre a magicar alguma coisa para fazer, desde que contribua para tornar o mundo um lugar melhor. Adoro fazer filmes na minha cabeça e a partir de pequenas situações do quotidiano faço autênticas longas metragens.

Adoro rir e fazer rir. Gosto imenso de organização mas descobri que ainda gosto mais de ter muito pouco para arrumar. Apesar de já ter simplificado imenso, ainda quero ir um bocadinho mais além. Aprendi a valorizar as pequenas coisas da vida e deixei de ligar a bens materiais (eu que já fui viciada em shoppings). Esta mudança começou em 2011 quando descobri o minimalismo. Foi a partir daí que resolvi criar o meu blog, o Ana Go Slowly, para que pudesse partilhar todos os benefícios que o minimalismo trouxe à minha vida.

Sou apaixonada pelo mar e prometi a mim mesma que tenho que o ver todos os dias. É o meu momento de conexão com a natureza.

Adoro escrever e partilhar com os outros tudo aquilo que me faz mais feliz. Acredito que o yoga é um desses caminhos para uma vida mais feliz e ao mesmo tempo mais consciente. Ganhamos consciência de nós próprios e do que nos rodeia. Esta consciência é fundamental nos dias de hoje, perceber que as nossas acções têm impacto no outro e no planeta.

Desde Maio de 2016 que assumi o desafio de viver produzindo o mínimo de lixo que conseguisse. Não é um caminho fácil mas vale totalmente a pena.

2. Quando é que começa o teu dia?

[AMM] Começa normalmente às 6h ou às vezes até antes. O meu cão Tobias é o meu despertador.

Visto-me, bebo água morna com limão e spirulina e vou dar uma caminhada rápida com o Tobias.

3. Como e quando é que surgiu esta tua paixão pelo mundo da meditação e do yoga?

[AMM] Surgiu em 2014, portanto é uma paixão relativamente recente. Costumo dizer que antes não estava preparada, portanto se tivesse experimentado fazer uma aula de yoga não teria gostado. Sempre gostei de andar a correr de um lado para o outro e achava o yoga demasiado parado. Mas a verdade é que o estilo de vida que fui vivendo desde 2011, altura em que ouvi falar pela primeira vez de minimalismo, me permitiu mudar imensa coisa na minha vida, livrando-me do que não interessava e acrescentando novas paixões. No fundo fez-me reflectir sobre aquilo que queria que realmente estivesse presente na minha vida.

No yoga, foi amor à primeira prática e em 2015 resolvi tirar o curso de instrutora de yoga. O objectivo era simplesmente aprofundar o meu conhecimento, mas gostei tanto do curso que comecei a dar aulas.

A meditação talvez tenha surgido um pouco antes, se bem que a prática se intensificou com o yoga. Comecei a meditar precisamente porque sempre fui muito agitada e tinha ataques de ansiedade. A meditação ajudou-me imenso e notava a diferença sempre que não meditava nesse dia, sentia-me mais ansiosa.

Este ano estive doente e tinha ataques de pânico diários. Posso dizer que o yoga e a meditação me permitiram ultrapassar completamente esta fase complicada.

4. E quando é que surgiu a ideia de criar o movimento Lixo Zero? Fala-nos sobre este movimento, tão (mas tão!) importante nos dias de hoje.

[AMM] Em Maio de 2016, quando li o livro da Bea Johnson “Desperdício Zero”, pensei para mim mesma “É isto que quero fazer, quero ser zero waster”. Apesar de sempre ter sido preocupada com o ambiente desde miúda, faltava-me dar o passo seguinte. Aborrecia-me imenso ver a quantidade de lixo que ainda fazia e sabia que reciclar não era suficiente.

Depois de ter começado a implementar as dicas da Bea na minha vida, fui sentindo algumas dificuldades e tive necessidade de partilhar isso com outras pessoas. Perguntei a mim mesma se seria a única maluquinha em Portugal a tentar viver daquela forma. Felizmente não e assim surgiu o grupo Lixo Zero Portugal. Basicamente partilhamos dicas e informação diária não só entre pessoas que já vivem este estilo de vida, mas também para ajudar quem quer fazer esta transição ou que simplesmente quer tentar viver de uma forma mais sustentável.

5. "Respira. Sorri. Vive uma vida simples e feliz" - é este o teu lema. Porque o consideras tão importante nas nossas vidas? Achas que complicamos muito? :)

[AMM] Já não sei bem quando escrevi este lema, mas lembro-me que o escrevi para mim própria. Precisava de me relembrar daquilo que é verdadeiramente importante e se pensarmos bem, precisamos de muito pouco para sermos felizes. Se estivermos ansiosos ou com algum problema, se pararmos uns momentos, respirarmos bem fundo e sorrirmos tudo parece mais fácil, não é verdade? Complicamos demasiado a vida, achamos que precisamos de imensa coisa para sermos felizes, comparamo-nos imenso uns com os outros e não nos focamos no essencial. Viver a vida a correr também não ajuda. A sociedade vive a um ritmo cada vez mais alucinante e, muitas vezes, nem temos tempo para pensar. Vivemos em modo automático, não nos escutamos, o que só nos faz complicar tudo ainda mais. Então, volto ao meu lema, todos os dias.

6. Mulheres inspiradoras para ti...

[AMM] São tantas… Vou tentar simplificar e referir só algumas: Sofia Castro Fernandes (Às nove no meu blogue), Sofia de Assunção (a minha coach), Vânia do Made by Choices, Eunice Maia (Maria Granel), Bea Johnson (Zero Waste Home), Inês Pimentel (Be Natural with Inês), Inês 3D e Cláudia Fonseca (Officinalis). Podia dizer muitas mais e isso é tão bom!

7. Tendo o teu próprio negócio/marca, quais foram as tuas maiores dificuldades ou medos? E quais as maiores forças quando iniciaste esta jornada?

[AMM] Posso dizer que ainda são as minhas maiores dificuldades: conseguir organizar-me e fazer tudo a que me proponho. Estão sempre a surgir imensas ideias e vou registando tudo, mas muitas vezes não consigo dar resposta. Tenho que me lembrar que não posso fazer tudo e mais alguma coisa e que o mais importante é cuidar de mim! Quando trabalhamos num projecto nosso e se o fizermos em casa, é muito difícil estabelecer limites: quando termina a vida pessoal e começa a profissional? Tenho uma luta diária com estes limites e ainda não encontrei o meu equilíbrio. Outra grande dificuldade prende-se com as redes sociais, por um lado quero desconectar-me e viver mais devagar, pois é isso que para mim faz sentido, mas hoje em dia é essencial estarmos nas redes. Também é assim que chego a mais gente e que posso partilhar aquilo que faço e escrevo. Então tem mesmo que ser uma tarefa diária de equilíbrio.

8. Pergunta difícil: consideras que ser mulher tem tido influência no teu percurso/projeto? Considerando que eras um homem, seria diferente? :)

[AMM] Sim, sem dúvida. Escrevo sobretudo para mulheres, as pessoas que mais me inspiram são mulheres e sinto que somos especiais.

9. Recentemente participaste no projeto da Cristiana Lopes - A agenda "Somos Todas Super Mulheres". Achas que as mulheres se deviam apoiar mais? É importante esta energia que estamos a criar entre todas?

[AMM] Adorei participar no projecto e sim precisamos desta energia e apoio. Não faz sentido nenhum sermos mázinhas umas para as outras. Somos todas iguais, passamos pelas mesmas dificuldades, portanto só ganhamos com o facto de nos apoiarmos. Devemos agradecer e apoiar as mulheres que admiramos, sem receios. É muito importante mostrar aquilo que sentimos e alimentar esta corrente de energia positiva, pois quando elogio alguém, essa pessoa sente mais vontade de elogiar outra pessoa também.

10. O grupo no Facebook "Lixo Zero Portugal" já conta com aproximadamente 2 mil seguidores. Consideras que um grupo privado no Facebook veio mudar a dinâmica deste movimento? De que forma?

[AMM] Penso que o grupo permitiu que houvesse uma maior entre-ajuda entre todos os membros. O grupo é privado para que as pessoas se sintam à vontade para partilhar as suas dificuldades ou questões sem qualquer receio de julgamento. Quem ali está, está de facto interessado neste movimento e contribui de uma forma positiva. Estamos ali para nos apoiarmos uns aos outros, com um objectivo comum: cuidarmos do nosso planeta.

11. Ter uma marca com as redes sociais activas e bem construídas é fundamental para o sucesso da nossa marca. Consideras que apostar nas redes sociais tem feito diferença no teu percurso? Qual delas achas que é o ponto forte na tua comunicação? (Instagram, Facebook, Pinterest, etc).

[AMM] As redes sociais são extremamente importantes nos dias de hoje, pois permitem-me divulgar o meu trabalho e chegar a mais pessoas. Gosto imenso do Instagram, pois adoro fotografia, e por isso dedico-lhe mais tempo.

12. O que é que o teu blog te trouxe de melhor?

[AMM] As pessoas que conheci através do blog! Fiz amigas para a vida! Foi uma forma de me conectar com pessoas que defendem o mesmo estilo de vida e é óptimo quando encontramos a nossa tribo.

13. Onde te imaginas daqui a 5 anos?

[AMM] Imagino-me feliz, serena, rodeada de alunos, leitores e amigos, numa casa linda junto ao mar, num dos meus retiros “Go Slowly” com yoga, meditação, comida vegetariana e deliciosa.

Instagram

Blog

With love, JL

#mulheresempreendedoras #entrepreuner #female #interview #entrepreunerfemale #inspiration #calledtobecreative #calledtobecreativemombossgraphicdesignerfem #entrevista

0 visualização